Arquivo

Archive for agosto \31\UTC 2011

A Morte… e Doação de órgãos (5)

A grande duvida sempre vai ser quando uma pessoa realmente está morta, já quando foi constatada a morte cerebral ou somente quando o sangue não corre mais pelas veias?

Uma coisa é clara para me: eu nunca serei doador de órgãos e nunca autorizarei que seja uma pessoa que eu amo! Se fosse possível, proibiria qualquer doação de órgãos por motivos de crueldade e sendo assassinato! Mesmo que as vitimas não podem mais reclamar, a sociedade está sendo sistematicamente manipulada pela Igreja e a Medicina de Transplantação!

Nos últimos anos colecionei muitos casos trágicos deste assunto que fiquei convencido que envolve o 5. mandamento, como assassinato e mais, sofrimentos inimaginavelmente cruéis. Os motivos são principalmente os enormes lucros, mas que são declarados como avanços da medicina moderna, dando nova vida aos infelizes doentes.

Em 1994 foi publicado um caso terrível de “doação de órgãos” na República das Filipinas. 4 Cirurgiões do Instituto Nacional de Rins foram acusados de ter retirado rins e coração de uma vitima de transito. Conforme testemunhas, se tratava de um jovem de 18 anos, que estava vivo e sem ferimentos graves. Ele tinha o azar que um outro jovem, rico e bem sucedido, precisava estes órgãos. Mais tarde, os médicos negaram que o motivo era dinheiro, mas presentando um outro jovem com uma nova vida e que a operação era um grande sucesso.

Pergunta: Eles foram condenados? Não, ganharam tanto dinheiro que, provavelmente, subornaram os juízes.

Vivo ou morto?

Em 1996 aconteceu um caso em Frankfurt, Alemanha:

Um homem contou numa entrevista num jornal, come ele se despediu da sua mulher morrendo num hospital. Ela já estava, em coma e declarada morte cerebral. Quando ele queria sair do quarto, inesperadamente os aparelhos de medição indicaram algum sinal e o homem tinha a impressão que sua mulher queria dizer o seguinte: “Fica mais um pouco. Não vá ainda.”

O homem ficou toda a noite com sua mulher e manteve mentalmente contato com ela, ate sentiu finalmente que podia se despedir da alma da sua mulher.

Mais tarde o cirurgião contou que neste caso, durante a retirada dos órgãos, a pressão de sangue não aumentou, como acontece normalmente. Porque? Será que isso, nos outros casos, são panico e dores terríveis das pessoas morrendo ou apenas reflexos da medula espinhal, como os médicos querem fazer crer?

Pensa sobre isso… ou vai insistir em doar órgãos?

Continua.

Imagem: orgaosdoe.blogspot.com, adjorisc.com.br,

Anúncios
Categorias:A Morte, Astrología e Horóscopo, Manipulação, medicina Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

A Morte… e Doação de órgãos (4)

A manipulação das Igrejas em conjunto com a “Imprensa Mainstream” é tao grande e perfeito que somente as aparentes “vantagens” e “maiores conquistas da Medicina Moderna” são destacados, sem considerar possíveis sofrimentos dos doadores de órgãos que vem estudados e comprovados ultimamente!

A Doação de órgãos: um dos dramas mais cruéis do sofrimento humano. Para quem? Para o doador!

A Igreja e a Medicina de Transplantação ignoram a vida da alma imortal! Alem da inimaginável crueldade e do fato de ser homicídio e crime capital, o maior erro é a sobrevalorização da “morte cerebral” como critério, em vez de se basear no que consta na Bíblia: “A vida do corpo está no seu sangue.” (3. Mose 17, 11) e não: “A vida do corpo está no seu cérebro”, como os especialistas da Ética religiosa querem nos convencer!

Não se pode parar de repetir: Que a alma, respectivamente o corpo da pessoa, em quais veias ainda corre sangue, podem ainda sofrer dores terríveis, mesmo quando foi constatada a “morte cerebral”, e os médicos, mesmo os religiosos, não querem aceitar isso!

Isso quer dizer: mesmo que os médicos constataram a “morte cerebral”, a vida do corpo ainda está “no seu sangue”, o que significa: a alma imortal ainda se encontra num corpo morrendo, ainda penetrando-o com sua respiração viva. A alma ainda não (!) se despediu do corpo e ainda está ligado a ele mediante o “Cordão de Prata”, que também e ainda é um condutor de dores.

Isso quer dizer: O doador sofre durante a retirada dos seus órgãos as mais horríveis e indescritíveis dores em consequência da ligação entre alma e corpo pelo cordão de prata. A anestesia não é comparável a anestesia durante uma cirurgia, se tratando de algo para a recuperação do corpo, reforçando as funções dos órgãos.

Os riscos e consequências negativos para o doador são sistematicamente negados, pois o que vale é o sucesso… e logicamente o dinheiro que se pode ganhar com a medicina de transplantação. Quando alguém, um medico ou pessoal de enfermagem, deteta algum sofrimento do doador, ele não pode falar sobre isso, pois a Ética Medica proíbe tal comportamento.

As vezes porem, um ou outro caso passa pela censura e é relatado sem maiores detalhes dos testemunhas:

Uma enfermeira atenta salvou a vida de um paciente previsto para ser doador de órgãos. Antes da retirada dos órgãos, ela notou sinais vitais e que o medico responsável repentinamente deixou o quarto numa situação critica. Perguntado, o medico respondeu que ele também percebeu estes sinais vitais do doador, mas não reagiu, pois já estava com seus pensamentos com o receptor dos órgãos e a “vida nova” deste paciente que ia morrer sem os órgãos.

Quer dizer, que ele nem ia se pronunciar se a enfermeira não tivesse falado pois a vida nova do paciente receptor seria mais valioso do que o doador, pois ia pagar muito mais dinheiro.

Resultado: O doador previsto sobreviveu e escapou de uma morte muito dolorosa. Aconteceu num hospital famoso em Sao Paulo no dia 07. 04. 1994

Imagem: revistaescola.abril.com.br, transplantesnaatualidade.blogspot.com

A Morte… e o que a Igreja Cristã omite (3)

Doação de órgãos: um dos dramas mais cruéis de sofrimento humano. Para quem? Para o doador!

Uma das “Maiores Conquistas da Medicina Moderna”, o transplante de órgãos, infelizmente se tornou um sofrimento terrível para os doadores, porque a Igreja e a Medicina de Transplantação ignoram a vida da alma!

Os especialistas da medicina e responsáveis da igreja tentam de tranquilizar suas consciências com o argumento de “presentear” inúmeros receptores de órgãos com “uma vida nova”, desconsiderando que a pessoa com um órgão estranho não pode mais viver a vida na terra que ele planejou no além antes desta reencarnação para evoluir vida após vida.

A igreja sistematicamente destruiu a crença da reencarnação, respectivamente os conhecimentos primordiais e divinos da humanidade, eliminando também a base de qualquer destino que determina o momento do nascimento e o período, após deste o corpo deve deixar a vida física e retornar para viver no além, negando também que foi a alma que determinou este período de tempo.

A igreja nem fala mais da alma imortal e deixou de separar entre alma e pessoa do ser humano, que sempre era a base de todas as religiões e culturas e substituiu os antigos ensinamentos por uma aparente “morte total” do homem e sua alma junto com uma ressurreição posterior, falsificando partes da Bíblia e ignorando outras.

Os resultados desta modernidade da medicina e da Igreja são os seguintes: Em vez de um acompanhamento amoroso da pessoa destinada a morrer por seus amados, ela vai completamente abandonada para a preparação cruel e urgente retirada dos órgãos! Na maioria dos casos, o doador sofre de dores terríveis, pois a morte cerebral ainda não significa a morte do corpo!

Cruelmente, o pobre doente foi completamente abandonado e fica sem o minimo conforto. A única coisa que importa, é aproveitar ao máximo dos seus órgãos, preparando urgentemente suas retiradas, sem esperar a morte da pessoa em questão que ainda está extremamente sensível a dores, a alma sofre terríveis torturas, mesmo anestesiada. Ficam cenas de matadouro, mas quem já quer saber disso?

Pelo menos, eles deviam respeitado o 5. mandamento: “Não matarás.”

Continua.

Imagem: conteudomega.blogspot.com,

A Morte… e o que a Igreja Cristã omite (2)

Exatamente aqui começa um dos mais cruéis dramas de sofrimento humano. Em vez de um acompanhamento amoroso da pessoa que vai morrer, ela vai completamente abandonada para a preparação cruel e urgente da retirada dos órgãos! Na maioria dos casos, o doador sofre de dores terríveis, pois a morte cerebral ainda não significa a morte do corpo!

Este “progresso” mudou completamente o manuseio com a morte e o tratamento com a pessoa morrendo. Quando a hora da morte se aproxima num hospital, não importa mais de algum querido ficar ao lado da alma que se despede deste mundo para passar para a outra dimensão. Cruelmente, o pobre doente foi completamente abandonado e fica sem o minimo conforto. A única coisa que importa, é aproveitar ao máximo dos seus órgãos, preparando urgentemente suas retiradas.

Os médicos não querem perder tempo, pois os órgãos são valiosos e, sem realmente esperar a morte da pessoa em questão que ainda está extremamente sensível a dores, a alma sofre terríveis torturas, mesmo anestesiada.

Onde estão os queridos e parentes que dão conforto com amor, que seguram a mão e passam a mão sobre a testa para facilitar a passagem? Eles foram mandados embora, porque não devem assistir aquilo que parecem cenas de matadouro. Equipes especializados cortam tudo que pode ser útil do corpo ainda morrendo para implantar em seguida em outras pessoas.

Os conhecimentos espirituais da Bíblia e a opinião dos médicos modernos

Que a alma, respectivamente o corpo da pessoa, em quais veias ainda corre sangue, podem ainda sofrer terrivelmente, mesmo quando foi constatada a “morte cerebral”, os médicos, mesmo os religiosos, não querem aceitar!

A mesma coisa vale para os especialistas da Ética religiosa, embora que consta na Bíblia: “A vida do corpo está no seu sangue.” (3. Mose 17, 11) e não: “A vida do corpo está no seu cérebro”, como os especialistas da Ética religiosa querem nos convencer!

Isso quer dizer: mesmo que os médicos constataram a “morte cerebral”, a vida do corpo ainda está “no seu sangue”, o que significa: a alma imortal ainda se encontra num corpo morrendo, ainda penetrando-o com sua respiração viva. A alma ainda não (!) se despediu do corpo e ainda está ligado a ele mediante o “Cordão de Prata”, que também e ainda é um condutor de dores.

Isso quer dizer: O doador sofre durante a retirada dos seus órgãos as mais horríveis e indescritíveis dores em consequência da ligação entre alma e corpo pelo Cordão de Prata. A anestesia não é comparável a anestesia durante uma cirurgia, se tratando de algo para a recuperação do corpo, reforçando as funções dos órgãos.

Se os médicos negam estes fatos, faca uma pergunta simples aos médicos: Vocês podem provar isso? Podem perguntar depois o doador, quais as dores ele sofreu? Se não, como eles podem saber, se o doador respectivamente a vitima não sofreu das mais terríveis dores?

Eles vão mais tarde saber isso, mas não mais neste mundo e então Deus tenha misericórdia deles. Pelo menos, eles deviam respeitado o 5. mandamento: “Não matarás.” Porem, os médicos matam pacientes já morrendo com a autorização da Igreja, pacientes que necessitaram durante estes momentos toda a assistência possível, também espiritualmente, mesmo quando não se pode medir mais nenhum sinal cerebral.

O maior peso de culpa, sem duvida, cabe a Instituição Igreja, pois ela erradicou todos os conhecimentos espirituais a respeito deste assunto – e não apenas deste assunto – durante os últimos 2.000 anos.

Continua.

Imagem: psicologiaeformacao.no.comunidades.net

A Morte… e o que a Igreja Cristã omite

Originalmente, a religião cristã a partir de Jesus Cristo continha como fato – e não apenas como crença – a reencarnação, bem como suas várias crenças anteriores (como por exemplo os Essenios). Isso era absolutamente normal e nenhuma contradição. O que mudou?

Em todas as cinco religiões principais a reencarnação faz parte, bem como na maioria das religiões “primitivas”. Acontece que no decorrer do tempo e motivado pelo jogo do poder e medo da Igreja, a ideia da reencarnação foi abandonada da Religiao Cristã e em seguida omitida para sempre.

A Igreja Cristã substituiu o conhecimento da reencarnação pelos ensinamentos oficiais do “pecado original” e o “aparente inferno eterno”. Porque tantas pessoas sentem terror e panico da morte? Tem a ver com o fato que a igreja mudou os conhecimentos primordiais sobre morrer, morte e reencarnação, usando maldição e demonizando as crenças anteriores.

Em todo o Ocidente Cristã, os conhecimentos da reencarnação foram substituídos pelo alegado “pecado original” e uma única vida na Terra e no final seguido por um purgatório para entrar eternamente ou no céu ou no terrível inferno. E este jogo de medo e poder funciona ate hoje.

Diante deste quadro dramático parece evidente que a medicina oficial, e com ela muitos médicos, está tentando de qualquer jeito e de qualquer custo prorrogar a vida terrena de um ser humano.


Uma das suas “conquistas” é o transplante de órgãos de homem para homem, especialmente do coração, mas também a doação de rins e fígado como doação viva – um órgão ou parte é doado de uma pessoa viva. Isso já se tornou rotina. As vezes, ate órgãos de animais são transplantados.

Exatamente aqui começa um dos mais cruéis dramas de sofrimento humano. Em vez de um acompanhamento amoroso da pessoa que vai morrer, ela vai completamente abandonada para a preparação cruel e urgente da retirada dos órgãos! Na maioria dos casos, o doador sofre de dores terríveis, pois a morte cerebral ainda não significa a morte do corpo!

Continua.

Imagem: galeriacores.blogspot.com, tribunadonorte.com.br,

Destino ou Coincidência? (3)

Quantas vezes vocês já se perguntou com que mais o destino vai te surpreender?

Tudo, que significa vida em geral, segue certa ordem e se desenrola no seu ritmo certo. As vezes, a vida flui tranquilo e calma e, de repente, parece como uma terrível tempestade. Pelo menos, sempre assim foi a minha vida e eu não sabia explicar, ou seja apenas com a única palavra: coincidências, o famoso por acaso.

Como aparente Ariano, sempre fui muito ativo e cheio de energia, sabendo que o sucesso estava a minha espera la no futuro. E tudo funcionou muito bem deste jeito. Os anos se passaram e eu vivia sem me preocupar com destino, astrologia e outras coisas deste gênero. Nunca tive tempo para pensar, ate um dia o destino me parou. De repente pareceu que todos os caminhos estavam fechados.

Hoje sou grato sobre esta parada que me deu chance para rever e reviver a minha vida e acordar e enxergar que existem outras coisas alem de trabalho e sucesso, dinheiro e status, carro do ano e sempre os melhores restaurantes.

Este foi também o momento de me aprofundar em astrologia e logo em seguida astrologia kármica de reencarnação. Descobri o meu karma e as origens, fui atras de regressões para descobrir meu passado e comecei pela primeira vez na vida de me conhecer um pouco, coisa que não consegui antes.

Aprendi que chegou o momento de pagar meu karma de vidas passadas para poder evoluir espiritualmente e que perdi muito tempo em correr atras do meu sucesso em vez de cuidar de mim e minha alma. Não quero mais repetir e repetir velhos erros, mas mudar meu destino voluntariamente, parar de ser egoísta e ignorante e me tornar um ser compreensível e amoroso com os outros. Quero ouvir mais a minha consciência, a voz da minha alma e olhar para cima e não para baixo.

Para cada ser humano chega este momento – chamado crise da meia vida – e depende apenas dele de entender os sinais, de acordar ou continuar cego, surdo e mudo, sendo jogado por um destino desconhecido ou… acordar e jogar ativamente para conseguir uma vida mais ampla e mais feliz.

E sabe como? Simplesmente olhar para seus sinais pessoais que Deus te mandou. Ele desenhou seu plano de vida, seu destino no céu exatamente quando você nasceu e soltou o primeiro grito. Este desenho das estrelas significa sua vida com todos os altos e baixos, ambiente, família, filhos e tudo que forma sua vida e faz parte dela. Você pode decifrar este desenho gracas a astrologia kármica de reencarnação.

Imagem: http://www.astrologiakarmica.com

Destino ou Coincidência?

agosto 22, 2011 5 comentários

Quem acredita em Astrologia Kármica de Reencarnação sabe que no Universo não há lugar para coincidências, porque tudo tem sua ordem conforme as Leis Cósmicas e nada pode escapar. (Cosmo quer dizer ordem.)

Olha no céu e veja as estrelas. Ou melhor ainda, nosso sistema solar. Todos os movimentos dos planetas são previsíveis e calculáveis e funcionam como um relógio de precisão. E isso durante muitos milênios. Ou você não concorda? Então, me diga, onde há espaço para coincidências.

Vamos ver alguns exemplos da previsibilidade de alguns planetas e os Princípios Primordiais que eles representam no mapa astral de uma pessoa, sempre lembrando que a astrologia kármica funciona como um instrumento de medição que mede e não produz a realidade, como um termômetro que meda a temperatura, mas não produz a febre. Evidentemente, qualquer planeta somente informa sobre acontecimentos de vidas passadas e seus efeitos neste vida atual. Com outras palavras, karma em ação, causa e efeito ou como Jesus disse: o que você semeou – em outras vidas – vai colher – nesta vida. Esta é a lei!

Todos tem uma ideia o que a Venus significa: Beleza, amor e bem estar e muito mais características positivas. Mas o que pode acontecer, quando Venus está com aspectos desarmônicos, bloqueada e sem aspectos ou ainda retrograda?

Estas pessoas com certeza reclamam das suas relações amorosas miseráveis. Ou não encontram um parceiro certo ou as relações sempre terminam logo e somente resta insatisfação, tristeza e solidão. Conheço tantas pessoas com este destino triste e não importa, se são bonitas ou não, se tem dinheiro ou não, eles sempre atraem parceiros errados que as traiam ou logo abandonam.

Uma cliente que conhece deste sua infância, infelizmente tem a Venus completamente abandonada, quer dizer, sem nenhum aspecto. Para não complicar, nem vou mencionar o signo e a casa em que a Venus se encontra. Signo e casa somente informam o que aconteceu no passado para deixar a Venus agora amarrada.

Minha cliente é uma linda mulher de 33 anos com boa educação, que sabe conversar, que tem muitos amigos, que sempre é uma agradável companhia e que parece estar muito feliz, mas isso não é o caso, pois ela nunca conseguiu ter um parceiro por um período longo ou mesmo casar e ter filhos. Sempre foi traída e abandonada por razões ridículas. Eu sei que ela está sofrendo muito.

Claro, que ela não sabe conscientemente o que aconteceu em vidas passadas, mas o mapa astral define isso muito bem, que ela sempre traiu e abandonou seus parceiros no passados, criando assim muito sofrimento. Hoje, as Leis da Atração, ou da Afinidade, ou da Ressonância respondem claramente de tal maneira que ela sempre se interessa por parceiros ruins. Para todos em sua volta, isso é previsível, apenas não para ela. E não adianta de avisar.

Pois é, destino ou coincidências? O que você acha?

Continua.

Imagem: acropolepoetica.blogspot.com,

%d blogueiros gostam disto: